terça-feira, 26 de março de 2019

ÍNDIA: TRIBUNAL NEGA LIBERAÇÃO POR FIANÇA PARA SAIBABA

Repercutimos séria denúncia feita pela esposa do Professor GN Saibaba, Vasantha Kumari, que, mesmo após denunciar as condições desumanas que agravam os problemas de saúde de Saibaba, a Suprema Corte da Nagpur negou ao professor universitário o direito a liberdade sob fiança para cuidar da saúde e dos graves problemas médicos que possui. 



O professor Saibaba foi preso em fevereiro de 2017 e condenado à prisão perpétua no dia 8 de março daquele ano, juntamente com mais quatro pessoas - dentre eles um estudante da União Democrática de Estudantes e um jornalista. A sentença foi do Tribunal de Sessões de Gadchiroli (Maharashtra). Esta é a terceira vez que Saibaba fica detido e encarcerado por longo período. A primeira vez foi entre maio de 2014 e junho de 2015, e a segunda entre dezembro de 2015 a abril de 2016.

O professor encontra-se agora trancafiado no campo de concentração de Nagpur Central. Pouco antes de ser detido, GN Saibaba foi diagnosticado com pancreatite aguda e necessita de uma operação para remover a vesícula biliar. No entanto, isto vem sendo negado pelo velho Estado indiano desde sua prisão, com o claro objetivo de assassiná-lo lentamente no cárcere.

A carta da esposa do Dr. Saibaba pode ser lida na íntegra no seguinte endereço: 
http://dazibaorojo08.blogspot.com/2019/03/india-deniegan-la-libertad-bajo-fianza.html

ÁUSTRIA: ATIVISTAS EXIGEM LIBERDADE PARA CAMARADA AJITH

Atendendo o chamado pela campanha de libertação do Camarada Ajith feito pelo Comitê de Apoio a Guerra Popular na Índia (Áustria), ativistas anti-imperialistas e revolucionários da Áustria realizaram diversas atividades ao longo da semana do dia 18 de março, como foi divulgado pelo site New Epoch Media.

Atividades como manifestações, colagem de cartazes, reuniões e assembleias foram realizadas em várias cidades.

O Comitê divulgou os registros das ações, que podem ser vistas abaixo:





segunda-feira, 25 de março de 2019

RJ: SOLIDARIEDADE COM AJITH EM ATO CONTRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

No dia 22 de março, durante ato contra a reforma da previdência no Rio de Janeiro, manifestantes exigiram a liberdade para o camarada Ajith, atendendo o chamado internacional realizado no início da semana. O bloco de manifestantes marchou o ato exibindo os cartazes confeccionados pela campanha internacional. 

Foto: Ellan Lustosa / AND

Com palavras de ordem que exigiam a liberdade para Ajith e para todos os presos políticos da Índia expressas nos cartazes, os ativistas e militantes puderam expressas todo seu internacionalismo durante ato em defesa de direitos do povo trabalhador. 

Para maiores informações sobre o ato, acessar o seguinte endereço: https://anovademocracia.com.br/noticias/10609-22-de-marco-dia-comeca-com-protestos-em-todo-o-pais-contra-a-reforma-da-previdencia

terça-feira, 19 de março de 2019

18 de Março: Dia Internacional de Solidariedade com o Camarada Ajith

Atendendo o chamado internacional pela solidariedade com o preso político da Índia, o camarada Ajith, organizações revolucionárias e democráticas da Itália e da Bélgica colaram cartazes em diversas cidades segundo o Blog Dazibao Rojo.

Em Bergamo, Itália: 


Em Palermo, Itália: 



E em Bruxelas, Bélgica: 


 

MÉXICO: SOL ROJO REALIZA JORNADA EM DEFESA DOS DIREITOS DO POVO

A organização democrática Sol Rojo - Corriente del Pueblo anunciou, em documento, a exitosa realização de uma campanha de Luta por Justiça e pelos Direitos do Povo.


Em nota, a organização afirma que a campanha é fruto de um trabalho que foi iniciado em meados de Janeiro deste ano. Os militantes da organização realizaram assembleias populares em diversos locais de atuação, contando com a participação de diferentes setores das massas. 

As assembleias estabeleceram 5 pontos centrais, dentre os quais estão: 
2. Reparação total dos danos e conformidade com as medidas de precaução com o deslocamento de famílias Triquis de São Miguel Copala; 
3. O cancelamento da subestação elétrico-militar do Secretariado de Defesa Nacional (SEDENA) em San Blas Atempa; 
4. Respeito pelo trabalho e direito de livre associação de trabalhadores sindicalizados na Seção 9 do Sindicato Independente Nacional de Trabalhadores da Saúde (SINTS); 
5. Respeito e conformidade com os direitos do povo.

Após realizado os ajustes e preparativos para a campanha, os militantes do Sol Rojo realizaram dois dias (11 e 12/03/2019) de intensas atividades, que iam desde a manhã até à noite. 
Foram feitos marchas e protestos, que percorriam diversas regiões da cidade. Os manifestantes organizados pelo Sol Rojo em protesto no Escritório do Procurador-Geral de Oaxaca, exigiram a apresentação com vida do Dr. Ernesto Garcia como parte importante da campanha de Luta por Justiça e pelos Direitos do Povo. As atividades ficaram marcadas por uma intensa combatividade e disposição. 

Mais informações sobre a campanha podem ser acessadas no seguinte endereço: https://solrojista.blogspot.com/2019/03/informe-de-la-jornada-por-justicia-y.html


sexta-feira, 15 de março de 2019

PRESO POLÍTICO NORAMBUENA É TRANSFERIDO DE PENITENCIÁRIA

Repercutimos em nosso blog informações divulgadas pelo Jornal A Nova Democracia sobre a situação do preso político Mauricio Hernández Norambuena. Após ser mantido ilegalmente por 12 anos no desumano Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), Norambuena foi transferido para outra penitenciária.


Segue abaixo a matéria na íntegra: 


Mauricio Hernández Norambuena Foto: Reprodução/Facebook


Preso político do velho Estado brasileiro, o chileno Mauricio Hernández Norambuena – que entre seus companheiros de armas da Frente Patriótica Manoel Rodrigues (FPMR), organização a qual dirigiu, era conhecido como “Comandante Ramiro” – foi transferido para uma penitenciária estadual de São Paulo após ser mantido por 12 anos no atroz Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) em diferentes prisões federais.

A FPMR foi uma organização político-militar que empreendeu a luta armada contra o regime militar-fascista de Pinochet no Chile na década de 1970, estendendo suas ações durante os anos de 1980 e início de 1990.

Norambuena foi condenado a duas prisões perpétuas no Chile, acusado de planejar e justiçar, em 1991, o senador reacionário Jaime Guzmán, colaborador de Pinochet, e pelo sequestro de Cristián Edwards, herdeiro do jornal reacionário El Mercurio. Norambuena ficou mundialmente conhecido por sua fuga da prisão que contou com o apoio de um helicóptero e voltou a ser capturado no Brasil, em 2002, em operação policial durante o sequestro do publicitário Washington Olivetto.

MASMORRA DE TORTURA

O RDD, ao qual Norambuena foi mantido durante mais tempo que qualquer outro preso no Brasil, consiste em um cubículo de concreto de 2x3 metros no qual o prisioneiro é mantido em completo isolamento, com acesso restrito à água, leitura restrita muitas vezes à da Bíblia (único objeto pessoal permitido aos presos na cela), com apenas duas horas de banho de sol por dia, sem acesso a objetos pessoais, contato com outros presos ou assistência médica.

Durante toda sua prisão, os familiares e a defesa de Norambuena coordenaram uma campanha internacional de solidariedade e denúncias de sua condição de prisioneiro político, que muitas vezes teve sua saúde debilitada devido às péssimas condições carcerárias e às condições desumanas impostas aos presos do RDD.

Após 12 anos de ilegalidades, Norambuena segue enfrentando os cárceres no Brasil. Existe uma ordem de extradição contra Norambuena que ainda não foi cumprida, pois a legislação no Brasil não admite (até então) que ele seja enviado para cumprir suas condenações de prisão perpétua no Chile e condiciona a sua extradição à redução de suas condenações para penas máximas de 30 anos, a exemplo do que vigora no Brasil.


quinta-feira, 14 de março de 2019

ÍNDIA: CAMPANHA PELA LIBERDADE IMEDIATA PARA AJITH

Repercutimos tradução de comunicado do Comitê de Apoio a Guerra Popular na Índia, Áustria recebido por correio eletrônico.


No comunicado, o Comitê denuncia, após fazer um breve resumo da situação política da Índia, a situação do preso político, camarada Ajith. O Comitê anuncia que sua libertação por meio de fiança se aproxima, mas também faz um aviso sobre como o Estado tem libertado presos políticos por meio de fiança para, logo em seguida, prendê-los novamente. Tendo em vista este modus operandi do velho estado indiano, o Comitê conclama a todos os progressistas, democratas, internacionalistas e revolucionários a fazerem parte de importante campanha no dia 18 de março, dia do julgamento de Ajith, pela sua libertação imediata e incondicional como parte da campanha pela liberdade de todos os presos políticos da Índia.

Segue abaixo tradução feita por apoiadores do comunicado:



Proletários de todos os países e povos oprimidos, uni-vos! 


Liberdade para Ajith! Apoie a Guerra Popular na Índia! 


“A Guerra Popular tem agora se elevado a posição de polo revolucionário reorganizado por todo o país, polo este que se firma em total oposição ao polo contrarrevolucionário das classes dominantes e do imperialismo. As classes dominantes, que até recentemente a estavam negligenciando e subestimando, agora são forçadas a reconhece-la como a maior ameaça interna que eles enfrentada”. 
– Partido Comunista da Índia (M-L) Naxalbari: “Mensagem à Conferência Internacional de Apoio à Guerra Popular na Índia, Hamburgo” 

“A prisão do camarada Murali [Ajith] em particular é uma das maiores perdas sofridas por nosso Partido e Comitê Central” 
– Comitê Central do Partido Comunista da Índia (maoísta): Declaração de 16/05/2015

A Índia não é, como os imperialistas gostam de proclamar, a “maior democracia do mundo”, e sim a masmorra [prisão], de proporções enormes, do nosso povo. O imperialismo norte-americano, bem como alguns imperialistas europeus, comanda a Índia através do capitalismo burocrático e também conserva largamente o feudalismo. O fato de os imperialistas estarem falando de “democracia”, em face ao genocídio perpetrado diariamente na Índia, a miséria de incontáveis camponeses, o sistema de castas, o assassinato de mulheres, o genocídio dos povos Advasi e diversos outros exemplos, mostra claramente o que os imperialistas querem dizer quando falam de “democracia”. A pilhagem e a opressão das massas da Índia são inflamadas por numerosas resistências, por múltiplas lutas: movimentos de militantes camponeses, luta do povo contra as estações de energia nuclear e a repressão, lutas de libertação nacional e grandes greves de trabalhadores mostram isso para as forças progressistas e anti-imperialistas de todo o mundo. Isso é, entretanto, a “grande ameaça à segurança interna da Índia”, como o governo indiano descreveu a Guerra Popular, liderado pelo Partido Comunista da Índia (maoísta). O PCI (maoísta) lidera a Guerra Popular e a Revolução de Nova Democracia, que esmaga o velho aparato estatal e traz a libertação das amarras do imperialismo. 

sexta-feira, 1 de março de 2019

CHILE: MAPUCHES SÃO PUNIDOS POR LUTAREM PELOS SEUS DIREITOS

Após entrarem em greve de fome como forma de lutar por seus direitos e dignidade, conforme denunciamos anteriormente, presos políticos do povo Mapuche foram reprimidos e punidos pelos agentes penitenciários da Prisão de Temuco, no Chile.

Os mapuches, que reivindicavam seus direitos e respeito as tradições de seu povo, sofreram ainda mais sanções por parte do estado. O direito às suas tradições e costumes são garantidos em Constituição e por direitos internacionais. 

Em entrevista, Lonko Facundo Jones Huala, um dos presos políticos em greve de fome, denunciou que a prisão nunca respeito seu direito a cultura mapuche, e afirmou que continuará mobilizado para continuar lutando.

Nós do CEBRASPO reiteramos nossa solidariedade a luta de Lonko e dos demais presos políticos mapuche que estão em luta por respeito, dignidade e auto-determinação.


Segue abaixo tradução da notícia postada pela Agencia de Noticias RedAcción: